Meu perfil
BRASIL, Norte, MANAUS, CENTRO, Homem, de 56 a 65 anos, English, Spanish, Informática e Internet, Livros
MSN -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de oliprest
 


QUE É VOCÊ?

    Hoje, mais do que nunca, as pessoas querem ter nome, ou fazer algo de sorte que seu nome se destaque. Isso já abordamos em outra ocasião. Queremos comentar sobre a outra face do ser ou não ser.

    Às vezes, em certas circunstâncias, descobrimos que somos capazes, ou que somos alguém que até então desconhecíamos. E isso pode ser em vários aspectos: físico, de saúde, de caráter, etc. Quando isso ocorre no sentido positivo, é salutar, gratificante. Mas descobrir que se é capaz de algo negativo, indesejável, não deve ser nada bom.

    Todos têm qualidades e defeitos. Poucos, entretanto,
reconhecem os defeitos, embora quase sempre exalte as qualidades. Alguns não se deram conta dos defeitos talvez por terem se medido por uma medida que não é padrão. Há um provérbio que diz: “Na terra de cegos quem tem um olho é rei”. Certamente que surgindo um com dois olhos, o rei caolho será destronado. Essa comparação é somente para exemplificar o padrão de medida. E isso quer dizer: Se se mede com uma medida não padrão, ou viciada, alguém acabará perdendo, principalmente se houver transação.

    Todos concordam que a pessoa deva ter um caráter probo, íntegro, justo. Mas, qual a medida para isso?

    Homens que tiveram algumas qualidades notadas e distintas dos demais da sua época ou meio, têm sido usados como exemplo (padrão de medida). Mas não haveria um que pudesse em tudo ser padrão? Sim. E isso se faz mister devido todos terem, como dissemos a princípio, qualidades e defeitos. Homens usados como exemplo por terem tido algumas virtudes ou qualidades, não o podem ser em outros aspectos por terem fraquezas.

    Quem, então poderia ser padrão em tudo? Atente. “Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo.” Ou ainda: “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados.” I Co. 11:1 e Ef. 5:1.

    “Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para instruir em justiça para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” II. Tm. 3:16 e 17.

    Assim, Cristo deve ser o padrão. E só as Sagradas Escrituras podem nos ensinar como nos tornamos semelhantes a Ele, aferindo de forma que possamos nos tornar tal qual o padrão.

    Para estes tempos, diz-nos a Escrituras: “Sabe, porém isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos: pois os homens serão amantes de si mesmos (homossexuais), gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes (sensuais), cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder.” Rm. 3:1-5. Isso se cumpre literalmente.

    Mas, é possível ser perfeito? Sim. Há um texto bíblico que diz: “Sede perfeitos, como é perfeito vosso pai celestial.” Como? Como disse o salmista: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho.” E: “O justo é como a luz da aurora que vai brilhando até ser dia perfeito.” “Porque os justos habitarão a terra, mas dela os aleivosos serão desarraigados.” Mt. 5:48; Pv. 4:18; Sl. 37:9; 119:9 e 105.

    Portanto, “Como purificará o mancebo o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.” Sl. 119:9.



Escrito por oliprest às 07h41
[] [envie esta mensagem
] []





EU JURO! PALAVRA DE HOMEM!

 

Desde criança que eu ouço esse tipo de juramento proferido pelos humanos para por fim a uma dúvida de outro quanto a sua disposição de cumprir algo. Mas não raro o juramento cai por terra quando as circunstâncias não permitem o seu cumprimento ou por falta de firmeza daquele que jura. Assim, esse tipo de juramento não garante nada, como não garante nada nenhum tipo de juramento. Aliás, num passado não remoto, os humanos do sexo masculino usavam retirar um fio do seu bigode como testemunho da palavra empenhada. E isso era aceito como prova de fidelidade ou firmeza. Mas nestes tempos modernos nem mesmo a assinatura exigida como identificação de quem assume um compromisso também já não garante o que é ou foi assumido por alguém.


Sobre o jurar temos alguns textos bíblicos que tratam do tema, dentre eles quero destacar estes:


“Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem façais qualquer outro juramento; mas que a vossa palavra seja sim, sim, e não, não; para que não caiais em condenação.” Tg. 5.12.


“Ai de vós, condutores cegos! pois que dizeis: Qualquer que jurar pelo templo, isso nada é; mas o que jurar pelo ouro do templo, esse é devedor.” Mt. 23.16.

“E aquele que jurar pelo altar isso nada é; mas aquele que jurar pela oferta que está sobre o altar, esse é devedor. Portanto, o que jurar pelo altar, jura por ele e por tudo o que sobre ele está; e, o que jurar pelo templo, jura por ele e por aquele que nele habita; e, o que jurar pelo céu, jura pelo trono de Deus e por aquele que está assentado nele.” Mt. 23.20-22.


Os textos do livro de Mateus correspondem a uma denuncia de Jesus com relação aos judeus religiosos contemporâneos seu, os quais usavam de uma artimanha para os seus liderados ou para com aqueles aos quais eles pretendiam conduzir no caminho da justiça e para o céu.


De onde vem esse modo de agir que ainda hoje alguns usam como a garantir o que prometem?


Temos um texto bíblico que nos remete a um passado remoto, no qual Deus usou esse expediente para garantir que cumpriria o que estava prometendo, veja:


“Porque, quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, Dizendo: Certamente, abençoando te abençoarei, e multiplicando te multiplicarei.” Hb. 6:13 e 14.


Então podemos concluir que dessa atitude de Deus, a qual está registrada nas Sagradas Escrituras, os homens tiram o exemplo para fazer juramentos, embora não tomem como exemplo a fidelidade dele no cumprimento do juramento feito. E por isso serão passíveis de condenação, veja:


“Então disse-me: Esta é a maldição que sairá pela face de toda a terra; porque qualquer que furtar, será desarraigado, conforme está estabelecido de um lado do rolo; como também qualquer que jurar falsamente, será desarraigado, conforme está estabelecido do outro lado do rolo. Eu a farei sair, disse o Senhor dos Exércitos, e ela entrará na casa do ladrão, e na casa do que jurar falsamente pelo meu nome; e permanecerá no meio da sua casa, e a consumirá juntamente com a sua madeira e com as suas pedras. Zacarias 5.3 e 4.


“Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda. Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento.” Hb. 6:16 e 17.


“Assim que aquele que se bendisser na terra, se bendirá no Deus da verdade; e aquele que jurar na terra, jurará pelo Deus da verdade.” Isaías 65.16.


E, concluindo, vamos citar mais um texto de Jesus:


                “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna.” Mt. 5.37.

 



Escrito por oliprest às 13h18
[] [envie esta mensagem
] []





NÃO DEIXARÁS VIVER?!

De onde advém o conceito humano formulado em suas leis de que um humano não deve matar a outro? Com base em que parâmetro os humanos chegaram a esse conceito? Também que nem um humano pode matar a outro mesmo que este tenha praticado atrocidades, ou crimes conceituado pelos legisladores como hediondos? Nestes tempos considerados modernos os homens que são constituídos como legisladores têm elaborado leis que determinam as penas ou castigos que devam ser aplicados àqueles que infringem tais leis ou praticam delitos previstos nelas. Mas vejo que esses conceitos  carecem de objetivade racional. E afirmo isso com base em revelações dadas por Deus para nortear a decisão dos juízes no julgamento daqueles que cometerem as ações previstas nas mesmas revelações e constantes nas Sagradas Escrituras, pelo fato de contrariarem esses princípios determinados por Deus. Assim, esses legisladores desprezam a Deus e se colocam no lugar dele como juízes.

Para consubstanciar a nossa tese vamos recorrer a alguns textos bíblicos que tratam claramente sobre a pena de morte como castigo daqueles que infringirem as regras dadas por Deus.

          “A feiticeira não deixarás viver. Todo aquele que se deitar com animal, certamente morrerá. O que sacrificar aos deuses, e não só ao SENHOR, será morto.” Ex. 22:18 a 20.

“O estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito. A nenhuma viúva nem órfão afligireis. Se de algum modo os afligires, e eles clamarem a mim, eu certamente ouvirei o seu clamor. E a minha ira se acenderá, e vos matarei à espada; e vossas mulheres ficarão viúvas, e vossos filhos órfãos.” Vv. 21 a 24.

“Não farás injustiça no juízo; não respeitarás o pobre, nem honrarás o poderoso; com justiça julgarás o teu próximo.” Lv. 19:15.

Agora vamos transcrever um texto bíblico sobre cobiça e a sua consequência.

“E transgrediram os filhos de Israel no anátema; porque Acã filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá, tomou do anátema, e a ira do Senhor se acendeu contra os filhos de Israel. Enviando, pois, Josué, de Jericó, alguns homens a Ai, que está junto a Bete-Áven do lado do oriente de Betel, falou-lhes dizendo: Subi, e espiai a terra. Subiram, pois, aqueles homens, e espiaram a Ai. E voltaram a Josué, e disseram-lhe: Não suba todo o povo; subam uns dois mil, ou três mil homens, a ferir a Ai; não fatigueis ali a todo o povo, porque poucos são. Assim, subiram lá, do povo, uns três mil homens, os quais fugiram diante dos homens de Ai. E os homens de Ai feriram deles uns trinta e seis, e os perseguiram desde a porta até Sebarim, e os feriram na descida; e o coração do povo se derreteu e se tornou como água. Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do Senhor até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças. E disse Josué: Ah! Senhor DEUS! Por que, com efeito, fizeste passar a este povo o Jordão, para nos entregares nas mãos dos amorreus para nos fazerem perecer? Antes nos tivéssemos contentado em ficar além do Jordão! Ah, Senhor! Que direi? Pois Israel virou as costas diante dos inimigos! Ouvindo isto, os cananeus, e todos os moradores da terra, nos cercarão e desarraigarão o nosso nome da terra; e então que farás ao teu grande nome? Então disse o Senhor a Josué: Levanta-te; por que estás prostrado assim sobre o teu rosto? Israel pecou, e transgrediram a minha aliança que lhes tinha ordenado, e tomaram do anátema, e furtaram, e mentiram, e debaixo da sua bagagem o puseram. Por isso os filhos de Israel não puderam subsistir perante os seus inimigos; viraram as costas diante dos seus inimigos; porquanto estão amaldiçoados; não serei mais convosco, se não desarraigardes o anátema do meio de vós. Levanta-te, santifica o povo, e dize: Santificai-vos para amanhã, porque assim diz o Senhor Deus de Israel: Anátema há no meio de ti, Israel; diante dos teus inimigos não poderás suster-te, até que tireis o anátema do meio de vós. Amanhã, pois, vos chegareis, segundo as vossas tribos; e será que a tribo que o Senhor tomar se chegará, segundo as famílias; e a família que o Senhor tomar se chegará por casas; e a casa que o Senhor tomar se chegará homem por homem. E será que aquele que for tomado com o anátema será queimado a fogo, ele e tudo quanto tiver; porquanto transgrediu a aliança do Senhor, e fez uma loucura em Israel. Então Josué se levantou de madrugada, e fez chegar a Israel, segundo as suas tribos; e a tribo de Judá foi tomada; e, fazendo chegar a tribo de Judá, tomou a família dos zeraítas; e fazendo chegar a família dos zeraítas homem por homem, foi tomado Zabdi; e, fazendo chegar a sua casa, homem por homem, foi tomado Acã, filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá. Então disse Josué a Acã: Filho meu, dá, peço-te, glória ao Senhor Deus de Israel, e faze confissão perante ele; e declara-me agora o que fizeste, não mo ocultes. E respondeu Acã a Josué, e disse: Verdadeiramente pequei contra o Senhor Deus de Israel, e fiz assim e assim. Quando vi entre os despojos uma boa capa babilônica, e duzentos siclos de prata, e uma cunha de ouro, do peso de cinquenta siclos, cobicei-os e tomei-os; e eis que estão escondidos na terra, no meio da minha tenda, e a prata por baixo dela. Então Josué enviou mensageiros, que foram correndo à tenda; e eis que tudo estava escondido na sua tenda, e a prata por baixo. Tomaram, pois, aquelas coisas do meio da tenda, e as trouxeram a Josué e a todos os filhos de Israel; e as puseram perante o Senhor. Então Josué, e todo o Israel com ele, tomaram a Acã filho de Zerá, e a prata, e a capa, e a cunha de ouro, e seus filhos, e suas filhas, e seus bois, e seus jumentos, e suas ovelhas, e sua tenda, e tudo quanto ele tinha; e levaram-nos ao vale de Acor. E disse Josué: Por que nos perturbaste? O Senhor te perturbará neste dia. E todo o Israel o apedrejou; e os queimaram a fogo depois de apedrejá-los.” Josué 7:1-25.

É importante observar nesse episódio que até a esposa e filhos, bem como os animais pertencentes a Acã, foram mortos por apedrejamento.

Mas alguém poderia invocar o texto no qual diz Deus o seguinte:

“A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.” Ez. 18.20.

Para os tais citaremos também um texto, veja:

“Sendo, pois, o homem justo, e praticando juízo e justiça, não comendo sobre os montes, nem levantando os seus olhos para os ídolos da casa de Israel, nem contaminando a mulher do seu próximo, nem se chegando à mulher na sua separação, não oprimindo a ninguém, tornando ao devedor o seu penhor, não roubando, dando o seu pão ao faminto, e cobrindo ao nu com roupa, não dando o seu dinheiro à usura, e não recebendo demais, desviando a sua mão da injustiça, e fazendo verdadeiro juízo entre homem e homem; andando nos meus estatutos, e guardando os meus juízos, e procedendo segundo a verdade, o tal justo certamente viverá, diz o Senhor DEUS. E se ele gerar um filho ladrão, derramador de sangue, que fizer a seu irmão qualquer destas coisas; e não cumprir todos aqueles deveres, mas antes comer sobre os montes, e contaminar a mulher de seu próximo, oprimir ao pobre e necessitado, praticar roubos, não tornar o penhor, e levantar os seus olhos para os ídolos, e cometer abominação, e emprestar com usura, e receber demais, porventura viverá? Não viverá. Todas estas abominações ele fez, certamente morrerá; o seu sangue será sobre ele. E eis que também, se ele gerar um filho que veja todos os pecados que seu pai fez e, vendo-os, não cometer coisas semelhantes, não comer sobre os montes, e não levantar os seus olhos para os ídolos da casa de Israel, e não contaminar a mulher de seu próximo, e não oprimir a ninguém, e não retiver o penhor, e não roubar, der o seu pão ao faminto, e cobrir ao nu com roupa, desviar do pobre a sua mão, não receber usura e juros, cumprir os meus juízos, e andar nos meus estatutos, o tal não morrerá pela iniquidade de seu pai; certamente viverá. Seu pai, porque praticou a extorsão, roubou os bens do irmão, e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá pela sua iniquidade. Mas dizeis: Por que não levará o filho a iniquidade do pai? Porque o filho procedeu com retidão e justiça, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso certamente viverá.”  Ez. 18:5-19.

Desse texto inferimos que estando o filho na condição de compreender e deixar de fazer o mal que fez o pai, não sofrerá juízo por isso nem levará culpa pelo pecado do seu pai.

Mas, afora isso, sofrerá o seguinte juízo:

“Preparai a matança para os seus filhos por causa da maldade de seus pais, para que não se levantem, e nem possuam a terra, e encham a face do mundo de cidades. Porque me levantarei contra eles, diz o Senhor dos Exércitos, e extirparei de Babilônia o nome, e os sobreviventes, o filho e o neto, diz o Senhor.” Is. 14:21 e 22.

Apesar de que em alguns países a lei humana prevê a pena de morte apenas para crimes considerados hediondos, veja quais serão havidos dignos de morte no juízo divino:

“Estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; os quais, conhecendo a justiça de Deus ( que são dignos de morte os que tais coisas praticam ), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.” Rm. 1:29 a 32.

E como revelou Deus por seu Espírito  a Paulo, “o salário do pecado é a morte” Rm. 6:23 p.parte. Portanto os que estiverem nessa situação quando do juízo, não poderão ser salvos para a vida eterna.
Mas nalguns países, inclusive o Brasil, não existe pena de morte para os criminosos que matam aos seus semelhantes com instinto de crueldade ou os ferem por maldade, ou praticam crimes como estupro ou pedofilia. E mesmo que o criminoso possa ser sentenciado a dezenas de anos de reclusão, suas penas são limitadas a trinta anos, vindo a ser livre a partir desse tempo, ganhando liberdade e podendo voltar a delinquir. E o ônus dessa reclusão fica para a sociedade da qual o delinquente foi extirpado e na qual não foi digno de viver.
Há quem queira se estribar no texto em que Jesus falou a uns homens que levaram a ele uma mulher apanhada em adultério, e para os quais, quando citando um texto bíblico sobre o juízo de tais mulheres, Jesus falou: “Aquele que não tiver pecado que atire a primeira pedra”. Mas é mister que saiba que foi o próprio Jesus que deu o texto citado, e constante do pentateuco. Entretanto para que alguém pudesse exercer tal juízo, necessário se fazia que o mesmo fosse justo, ou seja, praticasse o juízo e a justiça, as quais correspondem aos mandamentos de Deus. E certamente que eles não estavam nessa condição, já que se retiraram sem justiçar a varoa que levaram a Jesus. Este, depois de inquiri-la se aqueles homens não a condenaram, e tendo a declaração negativa, disse: “Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.” Jo. 8:11.

É fato sabido que na China muitos delinquentes são executados com um tiro na nuca e ainda é cobrado dos familiares do executado o valor da bala. E há país que questiona e censura esse proceder, apesar de ser um dos que mais mata por meio da sua política de polícia do mundo.
Em Singapura um presidente eleito mandou matar quatrocentos e cinquenta mil presos condenados. Os que ainda não haviam sido sentenciados fugiram para outros países. Como consequência Singapura tornou-se um dos países mais seguros para se viver.


No nosso país, o Brasil, os presídios estão superlotados de sentenciados a dezenas e até centenas de anos de reclusão, gerando, como consequência, elevado ônus para a sociedade, a qual tem que arcar com o custo de manutenção desses presos e, em alguns casos, até da família deles, as quais recebem auxílio reclusão.



Escrito por oliprest às 10h30
[] [envie esta mensagem
] []





Sê fiel até à morte!

SÊ FIEL ATÉ A MORTE

 

É natural que alguém seja fiel a outro se as circunstâncias lhe forem favoráveis, ou se lhe for conveniente. Mas quando aquelas lhe forem desfavoráveis ou não lhe for conveniente, principalmente quando há risco de vida para quem pretenda ser ou de quem é exigido ser, então a fidelidade é tida como circunstancial. Mas Deus ordena que sejamos fieis mesmo com risco de perda da nossa própria vida, a fim de que possamos ter outra, no porvir.

Muitos casos houveram de pessoas que não perseveraram fieis aos seus parceiros quando um dos cônjuges esteve privado de poder estar com elas. É o caso de soldados que tiveram que defender a sua pátria ou a uma nação amiga, e que, por isso, tiveram que deixar a seus cônjuges por um tempo, a fim de guerrearem contra nações invasoras ou inimigas. Ao retornarem, felizes por terem conseguido sobreviver as escaramuças da guerra, constatam que seus cônjuges não mais lhe pertencem, ou estiveram envolvidos afetivamente com outros. E também tais soldados se envolvem afetivamente ou sexualmente com outros, pelos locais onde estiveram enquanto serviam aos interesses dos seus mandatários, reis, presidentes, governadores, etc. Alguns chegam a cogitar que preferível lhes seria terem sucumbido na guerra a ter que suportar a dor da separação de quem lhes era caro ou querido. Amargo regresso.

E isso é próprio do ser humano. Poucos se mantem fieis por um tempo considerável, e até por pouco tempo mesmo, principalmente longe dos olhos, por julgar que o outro não saberá do seu deslize, ou mesmo sabendo que isso pode ocorrer.

Assim também com relação a fidelidade a Deus. Há os que suportam as agruras desta vida e se portam de modo varonil, apesar das adversidades. Destas tiram forças e não retrocedem mesmo diante de ofertas tentadoras. Assim procedeu Jesus por ocasião do seu trânsito entre os humanos quando aqui viveu em carne. Ele foi tentado pelo príncipe deste mundo, o qual ofereceu-lhe os reinos daqui, com a condicionante de que o adorasse. Jesus o resistiu e foi fiel a Deus até o fim, tendo suportado afrontas e humilhações de quem fora o criador, o homem. Mas, em consequência, ressuscitou, já que nunca pecou nem na sua boca se achou engano. Por isso a morte não pode retê-lo no túmulo.

E isso Ele também exige dos seus seguidores. Numa das missivas ordenadas por Ele a João, na revelação que lhe fora dada na ilha de Patmos e constante no livro do Apocalipse, diz:

“Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” Ap. 2:10 ú.parte.

Mas onde encontramos fieis a ponto de não fazer questão da própria vida, e obedecer a um deus invisível? Ainda que raros, existem. Os quais não fazem questão nem de benesses materiais e nem das suas próprias vidas, as quais não são suas, e que lhes serão devolvidas por ocasião da recompensa dos justos. Entretanto poucos renunciam a sua vontade e suportam a tentação do gozo das coisas temporais e mundanas nessa existência, e desprezam a promessa dos bens futuros prometidos por Deus aos que lhe amam.

Portanto lembremos o exemplo dado pelo mestre Jesus, o qual sendo Deus se fez servo, e, nessa forma, entregou-se a morte, e morte de cruz, e por isso Deus o exaltou acima de todos os anjos, e deu-lhe um nome que é sobre todo nome, para que todo joelho se dobre diante dele. Porque está previsto que os homens seriam traidores, e traição é ato que deve ser punida com morte do traidor.

                                                                                                       Manaus-AM, 14/07/2012

 

                                                                                                       Por Oli Prestes



Escrito por oliprest às 01h32
[] [envie esta mensagem
] []





 

SOBRE A FOME

 

Apesar de tanto alimento que é produzido no globo terrestre, existe escassez de alimentos. Enquanto uns tem demais, outros de menos. Uns morrem por excesso, outros por falta. Por quê? Surpreende-me alguns fatos. Enquanto nos países não desenvolvidos há subnutrição e elevado número de mortalidade infantil, por carência alimentar, nos desenvolvidos e tidos como de primeiro mundo as principais causas de morte decorrem de excesso de alimento.

Isso é manifesto no elevado índice de óbitos causados por diabete, colesterol, AVC (acidente vascular cerebral) e todos os problemas cardiovasculares, notadamente o infarto do miocárdio. Parece que os que têm maior poder aquisitivo pagam o preço de não dividir os seus excedentes com aqueles que precisam de um pouco mais.

Segundo pesquisas veiculadas na mídia televisiva, quando há maior ganho salarial aumenta também o consumo de proteínas da carne, e, quando esse ganho diminui, as pessoas se alimentam de alimentos mais pobres, principalmente as de menor poder aquisitivo. Isso depois vai refletir-se nos problemas de saúde, principalmente no infantil, já que as crianças precisam de alimento de boa qualidade para formação da sua estrutura orgânica.

E apesar do avanço científico no conhecimento da funcionalidade do organismo humano, a humanidade ainda se alimenta mal, na quantidade, qualidade e frequência, ou seja, o número de vezes em um dia. Isso tem levado a humanidade, principalmente nos países ricos, a um peso acima do que é considerado ideal por agentes de saúde.

Mais existe um alimento que também tem sido incorretamente usado, e mal administrado por seus preparadores e fornecedores, e que, como consequência, levará muitos a morte, se não no presente, no porvir sim. Falo da palavra de Deus, que apesar de ser abundante nos nossos dias, tem sido incorretamente dada, e também sonegada por aqueles que são responsáveis pela sua distribuição. Diz Deus pelo profeta Amós que virão dias em que haverá fome, mas não de pão, e sede não de água, mas de ouvir a palavra de Deus; que os homens irão de mar a mar, do oriente até ao ocidente em busca da palavra de Deus e não vão achar. Am. 8:11.

Aliás, eu vejo a falta de sabedoria e ciência para uma correta alimentação o fato de o homem não conhecer as instruções de Deus, principalmente a relativa a sua lei, a qual, quando obedecida, propicia sabedoria para uma alimentação saudável. Não é por acaso que os membros de uma religião, que ensina aos seus membros a se absterem de determinados alimentos, viverem até quinze por cento mais que os demais cidadãos dos EUA – Estados Unidos da América.

Portanto, se faz necessário que pensemos mais profundamente sobre o tema, e busquemos reavaliar nossos comportamentos. Pois, talvez, o comer como hoje se faz, por prazer e nem sempre por necessidade, pode encurtar os anos da existência, tanto quanto a falta de alimento. Isso deveria ser uma questão de saúde e de segurança alimentar; pois se o governo tivesse uma política pública para isso, com certeza não haveria esse caos na saúde, já que diminuiriam os problemas de saúde, e, consequentemente, de internações e perdas por afastamentos do trabalho por doenças. As pessoas seriam mais felizes, haveria menos conflitos e menos óbitos prematuros. 

 



Escrito por oliprest às 10h29
[] [envie esta mensagem
] []





Lindo, porém inútil

LINDO PORÉM INÚTIL...

 

 

            Todos os anos realiza-se o círio do padroeiro da cidade de Oriximiná no Estado do Pará: o círio do "Antônio" .

            Na opinião de alguém, uma festa inesquecível, pela beleza cênica produzida pela criatividade e vaidade de seus organizadores e executores. Nada obstante o esforço dessas pessoas, não lamentamos dizer: TUDO EM VÃO:

Onde está o "Antônio" que tão pomposamente se homenageia? Acaso pode o mesmo atentar para o que se faz em sua intenção? Se estivesse no céu, acaso teria os poderes de onisciência, onipresença, onipotência, para ver e recompensar aos que lhe homenageiam? Não. Como mortal, ele deve estar no pó, feito pó, esperando o dia da ressurreição dos mortos, quando a trombeta de Deus será tocada para isso. E, para ele ter a capacidade de, dos céus, ver e recompensar, se faria necessário que ele possuísse os atributos retro mencionados, e que pertencem somente a Deus.

            São tradições seculares. Vaidades do coração enganoso dos homens, e que não tem nenhum valor.

            Se você, alguma vez, exaltou o Antônio, se maravilhou com a festa feita em sua homenagem, ou o invocou, saiba:

            ...Os deuses que não fizeram os céus e a terra perecerão de debaixo dos céus.

            ...Os ídolos das nações são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, e não falam; têm olhos, e não vêem; têm ouvidos, e não ouvem; pois não há alento de vida em sua boca. Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles. Sl. 135:15-18.

            ...O sacerdote idólatra escolhe madeira que não se corrompe e busca um artífice perito para assentar uma imagem esculpida que não oscile. Is. 40:20.

            Quem pratica aquelas coisas, transgride o segundo mandamento da lei de Deus, que diz: “Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás.” Êx. 20:4-5

            Diz mais o Senhor: “ Não fareis outros deuses comigo: deuses de prata, ou deuses de ouro, não os fareis para vós.” Ex. 20:23.

            No louvor ao Antônio, diz-se que ele é grande salvador. Mas diz-nos Deus, pelo profeta Isaías: “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador.” Is. 40:20.

            Disse Jesus: “E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus.” Mt. 15:6.

            E agora, com quem você fica? Com Deus ou com o sacerdote idólatra, que ensina tradições de homens, que para nada se aproveita?

            Crês nisto? Estão nas Sagradas Escrituras, confira!

 



Escrito por oliprest às 08h26
[] [envie esta mensagem
] []





O último milagre de Jesus

O ÚLTIMO MILAGRE DE JESUS

 

A bíblia registra muitos milagres operados por Jesus por ocasião do seu ministério quando esteve em carne habitando entre os homens. Alguns públicos, outros não. Mas tais milagres, embora devessem ser motivo de glórias a Deus, acabaram por suscitar inveja nos líderes religiosos contemporâneos seu. E até por ocasião da sua prisão, na noite em que foi preso, ele ainda operou um milagre, mesmo sem que o beneficiado tenha pedido isso a ele.

Naquela noite Jesus fez a páscoa com os doze, incluindo Judas, aquele apóstolo que o traiu, cumprindo assim o que ele mesmo havia determinado para o seu povo através de Moisés, por ocasião da saída do povo de Israel do Egito, onde viveram e foram escravizados por Faraó, rei daquele reino primitivo. Depois da ceia páscoa, e de ter instituído a ceia do senhor, cantaram um hino e saíram para o monte das oliveiras. Já Judas havia saído para entrega-lo as autoridades, posto que Satanás já houvesse entrado no coração dele. Mt. 26:17 a 46.

No monte, retirou-se dos discípulos para orar. E angustiou-se muito por saber o que estava determinado sobre si. Voltou da primeira fase de oração, que deve ter durado uma hora, e encontrou os seus discípulos dormindo. Concitou-os a orar, e voltou para a sua solidão com Deus. Retornou e encontrou novamente os seus discípulos dormindo. E depois de se retirar outra vez para orar e ao retornar encontra-los dormindo, mandou que eles descansassem.

Quando a turba chegou naquele lugar, o qual fora indicado por Judas, que sabia que ele se reunia ali, e ao ter inquirido os que o buscavam sobre quem buscavam, disse que Ele era o “Eu sou”, o que ocasionou os seus desmaios. Levantaram, e foram novamente inquiridos por Jesus, o qual se entregou.

Antes, Pedro desembainhou a sua espada e cortou a orelha do servo do sumo sacerdote. Jesus o advertiu de que todos que usarem da espada, pela espada serão mortos, e curou o ferido restituindo-lhe a sua orelha. Lc. 22:47 a 51.

Mas aqueles homens estavam tão cegos que não se assombraram com tal ocorrência.

O poder de Jesus era tal que, por ocasião da sua morte, muitos crentes que estavam mortos ressuscitaram, saíram dos seus sepulcros e entraram na cidade. Mt. 27:52 e 53.

E será que se aquele acontecimento ocorresse hoje os homens agiriam diferente? Creriam nele? Render-se-iam a sua autoridade? Dificilmente. A cegueira deles advinha da falta de obediência à palavra de Deus, o que ocorre hoje também, razão porque não vêem o que ocorre diante dos seus olhos.



Escrito por oliprest às 18h46
[] [envie esta mensagem
] []





A autoridade de Jesus

Parte III


 

Depois da sua ressurreição, Ele disse ter recebido todo poder, no céu e na terra, veja:

“E os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado. E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram. E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” Mt. 28:16 a 20.

Jesus apesar de ser O Filho de Deus, se nomeava de o Filho do Homem, mostrando-se humilde. Enquanto isso, muitos que são filhos de homens e até de Satanás, se dizem filhos de Deus e ministros dEle. Manifestam as suas arrogâncias e altivez contrariando uma ordem de Jesus, que disse: “Sede simples como as pombas e prudentes como as serpentes”. Mt. 10:16.

Os tais querem exercer poder sobre os espíritos maus, e usam de gritos, como se Satanás tivesse medo disso. Invocam autoridade que não tem, valendo-se de seus títulos recebidos de seus pares, como "ministro do evangelho", ou usando o nome de Jesus, como se isso fosse suficiente para fazer os demônios debandarem. Estão com seus ventres dilatados por falta de jejum, e também por excesso no comer e beber.

Jesus fez por merecer, enquanto esses dizem merecer por serem e fazerem.

 

                                                                                       Manaus-AM, 07/01/2012.

 

                                                                                       Por Oli Prestes

 



Escrito por oliprest às 22h45
[] [envie esta mensagem
] []





A autoridade de Jesus

Parte I

Jesus manifestou autoridade quando aqui esteve em carne nesta terra, e, assim, curou enfermos, libertou oprimidos e ressuscitou mortos. Mas por que e donde lhe vinha tanta autoridade, a ponto de saber até os pensamentos dos seus circundantes, bem como conhecer as intenções e desígnios dos corações? Acaso ele era um Deus, ou um simples profeta dele? Mas se apenas um profeta, por que excedeu a todos e fazia os milagres sem orar a Deus ou sem pedir a Ele? Vejamos!

Existem controvérsias entre os participantes de religiões, os quais discordam entre si sobre a natureza de Jesus; se divina, se humana, se as duas. Afirmam alguns que ele era um enviado de Deus, e, outros, que era o próprio Deus.

Faremos uma incursão nas escrituras a fim de verificar as evidências de deidade e a razão da sua autoridade.

Moisés havia previsto que Deus levantaria outro profeta semelhante a ele, veja:

“O Senhor teu Deus te levantará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis.” Dt. 18:15.

Entretanto no anúncio feito por Deus por Isaías, diz:

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” Is. 9:6.

Vejamos que, dentre os nomes dados a ele, um seria “Deus Forte”.

Mas não existe só um Deus? E como Deus anuncia a existência de outro deus? Ou ele seria tido por Deus pelos homens, contrariando o mandamento que diz “não terás outros deuses diante de mim?

Já discorremos sobre a deidade de Jesus, nos trabalhos que intitulamos “O corpo de Deus”, “Jesus, o Senhor dos Exércitos”, “É Jesus o Deus todo poderoso?”, “O Anjo do Senhor” e “A deidade de Jesus pela escritura Tradução Novo Mundo”. E agora queremos evidenciar a autoridade manifesta por Jesus e a razão disso.

Com doze anos ele causou admiração aos doutores em israel., veja:

“Ora, todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa; e, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa. E, regressando eles, terminados aqueles dias, ficou o menino Jesus em Jerusalém, e não o soube José, nem sua mãe. Pensando, porém, eles que viria de companhia pelo caminho, andaram caminho de um dia, e procuravam-no entre os parentes e conhecidos; e, como o não encontrassem, voltaram a Jerusalém em busca dele. E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os, e interrogando-os. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas. E quando o viram, maravilharam-se, e disse-lhe sua mãe: Filho, por que fizeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu ansiosos te procurávamos. E ele lhes disse: Por que é que me procuráveis? Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai? E eles não compreenderam as palavras que lhes dizia. E desceu com eles, e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava no seu coração todas estas coisas. E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens.  Lc. 2:41 a 52.

Há quem diga que sabedoria é uma coisa nata, e, que, quem nasce para ser sábio, o será. Mas, tal como a estatura, ela é adquirida e acrescentada, conforme um texto de provérbios, veja:

“Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e esconderes contigo os meus mandamentos, para fazeres o teu ouvido atento à sabedoria; e inclinares o teu coração ao entendimento; se clamares por conhecimento, e por inteligência alçares a tua voz, se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca é que vem o conhecimento e o entendimento. Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos. Escudo é para os que caminham na sinceridade, para que guardem as veredas do juízo. Ele preservará o caminho dos seus santos. Então entenderás a justiça, o juízo, a equidade e todas as boas veredas. Pois quando a sabedoria entrar no teu coração, e o conhecimento for agradável à tua alma, o bom siso te guardará e a inteligência te conservará.” Pv. 2:1 a 11.

A sabedoria manifesta por Jesus suplantou aos seus predecessores. Ele falou de sementes, como o trigo e a mostarda; referiu-se ao pardal; falou de semeadura e colheita; de pesca; da beleza das flores, como o lírio do campo; falou de pérolas; do hades, inferno ou sepultura; do reino de Deus; do futuro de Israel; da ressurreição dos mortos; da recompensa dos justos e dos ímpios; da estratégia de Satanás; dos espíritos maus, da vida eterna; etc.

Mas a sua sabedoria não ficou limitada a isso, como a de Salomão, o qual discorreu sobre algumas dessas coisas. Ele manifestou autoridade sobre os espíritos maus, sobre enfermidades, cegueira, deformidade, e também sobre a morte. E vamos mostrar algumas passagens bíblicas que narram essas ocorrências.

“Depois, foram para Jericó. E, saindo ele de Jericó com seus discípulos e uma grande multidão, Bartimeu, o cego, filho de Timeu, estava assentado junto do caminho, mendigando. E, ouvindo que era Jesus de Nazaré, começou a clamar, e a dizer: Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim. E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava cada vez mais: Filho de Davi! tem misericórdia de mim. E Jesus, parando, disse que o chamassem; e chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, que ele te chama. E ele, lançando de si a sua capa, levantou-se, e foi ter com Jesus. E Jesus, falando, disse-lhe: Que queres que te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu tenha vista. E Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E logo viu, e seguiu a Jesus pelo caminho.” Mc. 10:46 a 51.

“E, entrando no barco, passou para o outro lado, e chegou à sua cidade. E eis que lhe trouxeram um paralítico, deitado numa cama. E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, tem bom ânimo, perdoados te são os teus pecados. E eis que alguns dos escribas diziam entre si: Ele blasfema. Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse: Por que pensais mal em vossos corações? Pois, qual é mais fácil? dizer: Perdoados te são os teus pecados; ou dizer: Levanta-te e anda?  Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados ( disse então ao paralítico ): Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa.” Mt. 9:1 a 6.

Mateus 23

“Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem; pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los; e fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens; pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes, e amam os primeiros lugares nas ceias e as primeiras cadeiras nas sinagogas, e as saudações nas praças, e o serem chamados pelos homens; Rabi, Rabi. Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado. Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações; por isso sofrereis mais rigoroso juízo. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós. Ai de vós, condutores cegos! pois que dizeis: Qualquer que jurar pelo templo, isso nada é; mas o que jurar pelo ouro do templo, esse é devedor. Insensatos e cegos! Pois qual é maior: o ouro, ou o templo, que santifica o ouro? E aquele que jurar pelo altar isso nada é; mas aquele que jurar pela oferta que está sobre o altar, esse é devedor. Insensatos e cegos! Pois qual é maior: a oferta, ou o altar, que santifica a oferta? Portanto, o que jurar pelo altar, jura por ele e por tudo o que sobre ele está; e, o que jurar pelo templo, jura por ele e por aquele que nele habita; e, o que jurar pelo céu, jura pelo trono de Deus e por aquele que está assentado nele. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas. Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniquidade. Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos, e dizeis: Se existíssemos no tempo de nossos pais, nunca nos associaríamos com eles para derramar o sangue dos profetas. Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais. Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno? Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade;  para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o santuário e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração. Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta; porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor.”  Mt. 23:1 a 39.

Os escribas e fariseus eram considerados eminentes dentre o povo. Mas Jesus não os temeu e censurou-os na cara, denunciando as suas hipocrisias, e até prevendo o.que eles fariam  com os sábios e escribas que seriam enviados por Ele. E essa é uma das razões porque os judeus nominais negam a Jesus como o messias que haveria de vir, porque ele denunciou as suas apostasias e heresias.

Jesus ressuscitou mortos, e até um que havia morrido havia quatro dias, veja:

“E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão;  e, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade. E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores. E, chegando-se, tocou o esquife ( e os que o levavam pararam ), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar. E entregou-o a sua mãe. E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo. E correu dele esta fama por toda a Judéia e por toda a terra circunvizinha. E os discípulos de João anunciaram-lhe todas estas coisas.” Lc. 7:12 a 18.

 

Continua na parte II



Escrito por oliprest às 22h36
[] [envie esta mensagem
] []





Nesta vida temos liberdade de escolha e podemos optar por seguir o caminho que nos convém. Mas nem sempre fazemos uma boa escolha nem optamos pelo melhor caminho não por má intenção, e sim devido não saber o final deles. Assim, há quem opte por seguir o caminho dos prazeres, julgando que aquilo que causa prazer é o que também propicia felicidade, e não saber que “quem ama o prazer empobrece”, segundo o grande sábio Salomão. E ainda que diga que Deus está no comando de tudo, inclusive da sua vida, opta inadvertidamente pela morte.


Uma pessoa me contou que o seu cônjuge sofria de diabetes e o médico que o assistiu fez-lhe algumas restrições alimentar. E quando ela ia se alimentar e era lembrada de que não devia exceder em algum alimento, dizia: “pode por”. Tal pessoa era evangélica e ancião de uma igreja. E o resultado da sua imoderação foi o seu óbito. Talvez ela pensasse que pelo fato de ser um dos principais do rebanho e por estar numa igreja que julgava ser a escolhida, também podia exceder o limite e mesmo assim seria poupado por aquele a quem tinha como Deus.


O próprio Salomão, o terceiro rei do povo de Israel, foi vítima de um julgamento equivocado. Pois Deus, que o escolheu para reinar sobre o seu povo, já havia dado instruções sobre o comportamento do rei que viesse a reinar sobre o seu povo, e disse:


 “Quando entrares na terra que te dá o Senhor teu Deus, e a possuíres, e nela habitares, e disseres: Porei sobre mim um rei, assim como têm todas as nações que estão em redor de mim; porás certamente sobre ti como rei aquele que escolher o Senhor teu Deus; dentre teus irmãos porás rei sobre ti; não poderás pôr homem estranho sobre ti, que não seja de teus irmãos. Porém ele não multiplicará para si cavalos, nem fará voltar o povo ao Egito para multiplicar cavalos; pois o Senhor vos tem dito: Nunca mais voltareis por este caminho. 

Tampouco para si multiplicará mulheres, para que o seu coração não se desvie; nem prata nem ouro multiplicará muito para si. Será também que, quando se assentar sobre o trono do seu reino, então escreverá para si num livro, um traslado desta lei, do original que está diante dos sacerdotes levitas. E o terá consigo, e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer ao Senhor seu Deus, para guardar todas as palavras desta lei, e estes estatutos, para cumpri-los; para que o seu coração não se levante sobre os seus irmãos, e não se aparte do mandamento, nem para a direita nem para a esquerda; para que prolongue os seus dias no seu reino, ele e seus filhos no meio de Israel.” Dt. 17:14 a 20.


Mas veja o que fez Salomão:


“Tinha também Salomão quatro mil estrebarias de cavalos para os seus carros, e doze mil cavaleiros.” I Reis 11.1.


“Também ajuntou Salomão carros e cavaleiros, de sorte que tinha mil e quatrocentos carros e doze mil cavaleiros; e os levou às cidades dos carros, e junto ao rei em Jerusalém.” I Reis 10:26


“E Salomão ajuntou carros e cavaleiros, e teve mil e quatrocentos carros, e doze mil cavaleiros; os quais pôs nas cidades dos carros, e junto ao rei em Jerusalém.” II Crônicas 1.14.


“Teve também Salomão quatro mil estrebarias para os cavalos de seus carros, e doze mil cavaleiros; e colocou-os nas cidades dos carros, e junto ao rei em Jerusalém.” II Crônicas 9.25.


“E o rei Salomão amou muitas mulheres estrangeiras, além da filha de Faraó: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias.” I Reis 11.1.

E segundo declaração dele próprio, veja:


“Amontoei também para mim prata e ouro, e tesouros dos reis e das províncias; provi-me de cantores e cantoras, e das delícias dos filhos dos homens; e de instrumentos de música de toda a espécie.” Eclesiastes 2.8.


O texto em negrito “e das delícias dos filhos dos homens” é uma alusão a concubinas ou amantes, a quem Salomão teve e amou.


E para que alguém não pense que presumimos, vamos mostrar o texto no qual é reprovado o comportamento de Salomão:


“Vi também naqueles dias judeus que tinham casado com mulheres asdoditas, amonitas e moabitas. E seus filhos falavam meio asdodita, e não podiam falar judaico, senão segundo a língua de cada povo. E contendi com eles, e os amaldiçoei e espanquei alguns deles, e lhes arranquei os cabelos, e os fiz jurar por Deus, dizendo: Não dareis mais vossas filhas a seus filhos, e não tomareis mais suas filhas, nem para vossos filhos nem para vós mesmos. Porventura não pecou nisto Salomão, rei de Israel, não havendo entre muitas nações rei semelhante a ele, e sendo ele amado de seu Deus, e pondo-o Deus rei sobre todo o Israel? E contudo as mulheres estrangeiras o fizeram pecar”. Neemias 13:23 a 26.


Diz o apóstolo Paulo:


“Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis”. Romanos 8.13.


E que obras seriam essas? Veja:


“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”. Gálatas 5.19 a 21.


Porque por Moisés havia Deus sugerido que o seu povo fizesse opção, veja:


“Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida a morte, o bem e o mal; porquanto te ordeno hoje que ames ao Senhor teu Deus, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e o Senhor teu Deus te abençoe na terra a qual entras a possuir. Porém se o teu coração se desviar, e não quiseres dar ouvidos, e fores seduzido para te inclinares a outros deuses, e os servires, então eu vos declaro hoje que, certamente, perecereis; não prolongareis os dias na terra a que vais, passando o Jordão, para que, entrando nela, a possuas; os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, dando ouvidos à sua voz, e achegando-te a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; para que fiques na terra que o Senhor jurou a teus pais, a Abraão, a Isaque, e a Jacó, que lhes havia de dar”. Dt. 30:15 a 20.


Mas, como estava previsto, os humanos seriam mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, veja:


“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos (homossexuais), avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus.” II Timóteo 3:1 a 4.


Uma prova disso é que, qualquer coisa que divirta colocado na rede tem milhares de acesso, enquanto que uma advertência como esta, que é opção pela vida, não. Ainda assim, concitamos-lhe a fazer a sua opção. Opte pela vida. Embora Jesus tenha dito que ele é a vida, veja a que estava ele referindo-se:


“E sei que os teus mandamentos são a vida” Jo. 12:50.


Portanto quando Ele falou que Ele é a vida, estava referindo-se a Ele como pessoa jurídica, a palavra, e não a sua pessoa física. Então opta pela palavra, a lei de Deus, a qual é poderosa para salvar a sua vida.



Escrito por oliprest às 10h41
[] [envie esta mensagem
] []





PRESENTES? PRA QUE?

Muitos irão a sua casa e levarão flores, mas elas não lhes agradecerão, também não sorrirão nem dirão nenhuma palavra, seja de aprovação ou reprovação. Será que eles gostariam de saber o que elas diriam? Apesar disso eles ouvirão uma voz que lhes dirá: Satisfeito, filho? Não foi isso que você desejou? Incomodei-te com os meus cuidados, advertências, preocupações com você? Estou fazendo falta? É tarde!

Lembra quando você me perguntou por que eu não vinha logo pra cá, ou quando você me disse: vá para o inferno!? Parti, e pra cá me trouxeram, mas aqui não estou, embora essa seja a casa que me destinaram. Ela está cheia e ao mesmo tempo vazia. Se crês que eu estou no céu, ou se hoje você acha que eu mereço no céu estar, o que você vem aqui fazer? Flores? Pra quê? Aqui não está aquela que foi a sua mãe. Aqui estão os restos mortais dela. A sua mãe não mais existe. Não me chame, que eu não posso lhe atender. Nem reze por mim, que eu não preciso disso. Tudo o que você podia fazer por mim deveria ter feito quando era possível. Aqui não preciso do seu amor, do seu carinho, dos seus cuidados, dos seus presentes. Pra mim tudo acabou! Não se martirize por mim, é inútil! Lamente por você mesmo que ainda está nesse mundo de ilusões, e que precisa ser amado e também amar, para se sentir satisfeito e útil. Se cuide para quando você vir pra cá não venha como quem é despejado de sua casa, e não venha antes do tempo, e não venha a contra gosto. Mas que você venha descansar farto de dias felizes, e que não deixe alguém a lamentar, como hoje você faz. Para que a sua consciência não lhe seja qual verdugo, a lhe punir pelo que você fez e pelo que não fez quando se mostrou oportunidade para isso. Estou descansando, enquanto não chega o dia em que terei que comparecer diante do qual todos devem comparecer para prestar contas dos seus atos e receber as suas recompensas. Eu não posso mudar o que fiz, muito menos você, mesmo que seja com prece fervorosa e penitente. Mas você pode mudar o seu destino antes de vir para cá, fim de todos. Você pode sair daqui aliviado por pensar que cumpriu o seu dever de filho; o cumprimento desse ritual pode lhe dar essa sensação. É bom se sentir aliviado, pois faz bem pra quem sentia o peso da culpa, mas não resolve o problema da falta cometida. Muitas gostariam de dizer tantas coisas para os seus filhos, e muitos gostariam de dizer outras tantas coisas para as suas mães, para se redimirem dos erros cometidos, mas o abismo é grande entre nós.

Honra o teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o senhor te dá.” Ex. 20:12.



Escrito por oliprest às 11h36
[] [envie esta mensagem
] []





A PÁSCOA, O QUE É ?

 

A páscoa foi instituída por Deus por ocasião da retirada do seu povo do Egito. Na ocasião, depois das pragas que Ele mandou sobre o Egito, Ele instruiu a Moisés, líder escolhido para retirar o seu povo do jugo de Faraó (rei daquele povo e nação). Vamos transcrever o texto bíblico que registra o que disse Deus a Moisés, de como a páscoa deveria ser realizada.

         Ora, o Senhor falou a Moisés e Arão na terra do Egito, dizendo: “Este mês será para vós o principio dos meses; este vos será o primeiro dos meses dos anos. Falai a toda congregação de Israel, dizendo: Ao décimo dia deste mês tomará cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família. Mas se a família for pequena demais para um cordeiro, tomá-lo-á juntamente com o vizinho mais próximo de sua casa, conforme o número de almas; conforme ao comer de cada um, fareis a conta para o cordeiro. O cordeiro, ou cabrito, será sem defeito, macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras, e o guardareis até o décimo quarto dia deste mês; e toda a assembleia da congregação de Israel o matará à tardinha. Tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambos os umbrais e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite comerão a carne assada ao fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele cru, nem cozido em água, mas sim assado ao fogo; a sua cabeça com as suas pernas e com a sua fressura. Nada dele deixareis até pela manhã; mas o que dele ficar até pela manhã, queimá-lo-eis no fogo. Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do Senhor. Porque naquela noite passarei pela terra do Egito, e ferirei todos os primogênitos na terra do Egito, tanto dos homens como dos animais; e sobre todos os deuses do Egito executarei juízos; eu sou o Senhor. Mas o sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu o sangue , passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga para vos destruir, quando eu ferir a terra do Egito. E este dia vos será por memorial, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; através das vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.” Ex, 12:1-14.

           O cordeiro ou cabrito era um simbolismo. Quem ele simbolizava?

          Quando João avistou a Jesus que vinha para ser batizado, disse: “Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. Jo. 1:29.

       Durante muitos anos cordeiros, cabritos, carneiros, bodes, e também pombos serviram com suas vidas para aplacar a ira de Deus e abafar o pecado do seu povo. E eles eram protótipos que representavam Jesus, o qual veio derramar o seu sangue para perdão dos pecados o qual foi também moeda de troca para comprar para Deus homens de todas as nações, línguas e tribos. Ap. 5:9. Pois como escreveu Paulo numa de suas epístolas (cartas doutrinárias): “É impossível que sangue de bodes e de novilhos apague pecados”. E diz noutra escritura:

      “Mas Cristo, tendo vindo como sumo sacerdote dos bens já realizados, por meio do maior e mais perfeito tabernáculo (não feito por mãos, isto é, não desta criação). E não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção. Porque se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus vivo?" Carta aos hebreus 9:11-14.

         Agora vamos ver quando a páscoa foi abolida. Escreveu Mateus, um dos discípulos de Jesus:

        Ora no primeiro dia dos pães ázimos, vieram os discípulos a Jesus e perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa? Respondeu Ele: Ide à cidade a um certo homem, e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos, E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara, e prepararam a páscoa. Ao anoitecer reclinou-se às mesa com os doze discípulos; e, enquanto comiam, disse: Em verdade vos digo que um de vós me trairá. E eles, profundamente contristados, começaram cada um a perguntar-lhe: Porventura sou eu, Senhor? Respondeu ele: O que mete comigo a mão no prato, esse me trairá. Em verdade o Filho do Homem vai, conforme está escrito a seu respeito; mas ai daquele por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido. Também Judas, que o traía, perguntou: Porventura sou eu, Rabi? Respondeu-lhe Jesus: Tu o disseste. Enquanto comiam, Jesus tomou pão, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados. Mt, 2617-28.

          Leiamos o texto de Lucas, o médico.

Aproximava-se a festa dos pães ázimos, que se chama a páscoa. E os principais sacerdotes e os escribas andavam procurando um modo de o matar; pois temiam o povo. Entrou então Satanás em Judas, que tinha por sobrenome Iscariotes, que era um dos doze; e foi ele tratar com os principais sacerdotes e com os capitães de como lhe entregaria. Eles se alegraram com isso, e convieram em lhe dar dinheiro. E ele concordou, e buscava ocasião para lho entregar sem alvoroço. Ora, chegou o dia dos pães ázimos, em que se devia imolar a páscoa; e Jesus enviou a Pedro e a João, dizendo: Ide, preparai-nos a páscoa, para que a comamos. Foram, pois, e acharam tudo como lhes dissera e prepararam a páscoa. Lc. 22:1-8, e 13.

Leiamos também o texto de João, um dos discípulos de Jesus:

Antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, e havendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. Enquanto ceavam, tendo já o Diabo posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, que o traísse, Jesus, sabendo que o Pai lhe entregara tudo nas mãos, e que viera de Deus e para Deus voltava, levantando-se da ceia, tirou o manto e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água na bacia e começou a lavar aos pés os discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. Chegou, pois, a Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, lavas-me os pés a mim? Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço, tu não o sabes agora; mas depois o entenderás. Tornou-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Replicou-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo. Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça. Respondeu-lhe Jesus: Aquele que se banhou não necessita de lavar senão os pés, pois no mais está todo limpo; e vós estais limpos, mas não todos. Pois ele sabia quem o estava traindo; por isso disse: nem todos estais limpos. Ora, depois de lhes ter lavado os pés, tomou o manto, tornou a reclinar-se à mesa e perguntou-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? Vós me chamais Mestre e Senhor; e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Jo. 13:1-10.

Por que eles estavam limpos?

Porque eles obedeciam a palavra de Deus, que Jesus havia transmitido a eles, veja:

Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus, e tu mos deste; e guardam a tua palavra. Agora sabem que tudo quanto me deste provém de ti; porque eu lhes dei as palavras que tu me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste. Jo. 17:6 a 8.

Que palavra Jesus lhes transmitiu? Veja:

Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Verso 17.

Mas que é a verdade?

A tua justiça é uma justiça eterna, e a tua lei é a verdade. Sl. 119:142.

Outrossim, nos detenhamos na ocorrência de Pedro. Este não quis que Jesus lhe lavasse os pés. Jesus lhe disse que se ele não lhe lavasse os pés,  ele, Pedro, não teria parte com Jesus. Jo. 13:9 e 10.

Mas nem todos estavam limpos. E isso ele dizia de Judas, que era o tesoureiro. Pois sendo Judas o que detinha a bolsa, era o tesoureiro, lançava mão do que era ali arrecadado. Diz um texto de João que ele era ladrão. E vemos que apesar disso Jesus o suportou e não o denunciou nem o expulsou do rol dos seus discípulos. Mas suporto-o até o fim.

Do que concluímos que aqueles que comemoram a ceia sem o lava-pés não têm parte com Jesus. Pois o lava-pés é um símbolo, como o são o pão e o vinho, os quais devem estar presentes na ceia. O pão representa a carne de Jesus que foi rasgada por nós, e o vinho o seu sangue que foi derramado por nós. A ausência de fermento no pão significa o azedume do ressentimento que não deve haver no coração de quem participa da carne e sangue de Jesus por ocasião da ceia. Também significa hipocrisia. Pois disse Jesus: “Acaltelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia”. Lc. 12:1.

Leiamos o texto de Paulo, constituído por Deus como doutor e apóstolo dos gentios (pagãos).

Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou pão; e havendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo que é por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo pacto no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes do cálice estareis anunciando a morte do Senhor, até que ele venha. Co. 11:23-26.

Observemos no texto de Marcos, capítulo 14, no versículo 22, e Mateus 26:21, vemos que antes de Jesus comemorar a ceia ele ministrou a páscoa, a carne do carneiro ou cabrito, de conformidade com o que ele instruiu a Moisés e Arão.  Essa foi a última páscoa. A partir daí ele instituiu a ceia com o lava-pés. Também disse que aquilo era a nova aliança feita com o seu sangue. E essa nova aliança tem como base os termos da sua aliança que são os seus mandamentos ou a sua lei, veja:

Então ele vos anunciou a sua aliança, a qual vos ordenou que observásseis, isto é, os dez mandamentos; e os escreveu em duas tábuas de pedra. Dt. 4:13.

Observemos que os discípulos só participaram da ceia depois de terem aceitado as palavras que Jesus lhes deu, as quais correspondem aos seus mandamentos, não antes. Do que inferimos que ninguém deve participar da ceia se não observar os mandamentos de Deus. Também deve ter passado pelo batismo de imersão, o qual significa morte para o mundo, sepultamento dos pecados e ressureição para uma nova vida. Esse ritual os discípulos também cumpriram antes, embora não estejam nos textos citados, e sim noutros, objeto de outro texto nosso.

A aliança é nova, mas a base constitucional é a mesma, a sua lei, a qual é eterna, e da qual ele disse que passará os céus e a terra mas elas não passarão. Mc. 13:31.

Quando a praticardes estareis rememorando a morte de Jesus, até que ele venha.

Boa ceia.


 



Escrito por oliprest às 06h05
[] [envie esta mensagem
] []





AME AO MENOS SEUS FILHOS

 

Há quem pense que se ama por cuidar da sua aparência, saúde, etc. Mas nem sempre esse cuidado com sigo mesmo significa que se ame. Pois é possível que isso faça para poder usufruir ainda mais da sua vida vã. Se quem isso fizer não cumprir as regras do verdadeiro amor, do qual diz uma escritura que não busca seus próprios interesses, nem se porta inconvenientemente, então o tal não está se amando, mas tão somente preservando momentaneamente o seu corpo e a sua carne e buscando melhor parecer. Vamos esclarecer.


Alguém pode fazer exercícios físicos, cuidar do seu cabelo, mãos, pés, rosto, para bem parecer, sendo, desse modo, preferido como profissional do sexo, como cortesã, etc. , para ganhar dinheiro, obter elogios, ter satisfação e satisfazer a quem lhe paga os honorários pelo serviço que prestar, inclusive em atividade profissional lícita do ponto de vista social. Ou também exercer atividade como “streap”, mesmo profissionalmente, alegando necessidade financeira. E com o ganho dessa atividade sustentar filhos e familiares que de si dependam.


  Quem isso fizer, ainda que possa aplicar o fruto da sua atividade para alimentar e educar filhos e tutelados, não o faz segundo as regras divinas, e os seus descendentes poderão sofrer penalidades por isso, já que isso é tido como mal por Deus, o qual visita a maldade dos pais nos filhos. Ex. 20:5.


Outrossim, há quem, mesmo no exercício de atividade lícita, pratique ilícitos. É o caso de funcionários e servidores, como policiais, políticos, executivos, etc., que agem extrapolando o limite da sua competência, praticando extorsão e roubo, além de opressão, fraude e justiça própria como justiceiro, individualmente ou em grupo de extermínio, se colocando acima da lei que jurou defender e cumprir. Assim, se apropria de bens e valores públicos a si confiados, enriquecendo ilicitamente, e condenando à morte aqueles que dependem de recursos públicos, seja para se alimentar, como as crianças que precisam da merenda escolar, seja de pacientes que dependem do serviço público de saúde.


Mas esses que isso fazem também condenam a morte a seus filhos, os quais foram beneficiados com o fruto do ilícito. E ainda que não sofram isso imediatamente, sofrerão a morte eterna. Ou não serão havidos dignos de vida eterna.


Alguns que agiram contrário à lei tiveram a recompensa dos seus desatinos nesta vida aqui.


Por ocasião do seqüestro e morte da jovem Eloá Pimentel, ocorrido na cidade de Santo André-SP, o seu genitor foi reconhecido como um dos integrantes de um grupo de extermínio do Estado de Alagoas, ao ser focalizado pela mídia televisiva, quando passou mal e foi socorrido pelo serviço de saúde que estava de prontidão no local. Segundo se noticiou na ocasião, ele era fugitivo da justiça daquele Estado. Também  foi apurado que ele havia adulterado o registro civil de nascimento da jovem, alterando o nome dela. Suspeitou-se que para não ser encontrado.


Suspeito que muitas mulheres e crianças que foram e estão sendo violentadas no presente têm ou tiveram progenitores estupradores e pedófilos.


Se alguém não se ama, que ame ao menos seus filhos, mesmo que não os tenha ainda. Caso contrário poderá  ter dupla tristeza, ao vê-los sofrendo nesta vida e serem condenados a morte eterna. Mas se alguém não se ama, como pode amar a outrem?


Existe uma lei universal que diz: “Do modo como quereis que os homens vos façam, fazei aos homens”. Mt. 7:12.


Ninguém espere semear vento para colher bonança.


           Porque os justos habitarão a terra, mas os ímpios e pecadores serão dela arrancados. Sl. 37:9, 20, 22, 29, 34 e 38.

 



Escrito por oliprest às 17h40
[] [envie esta mensagem
] []





PÉS MENSAGEIROS

Apesar do avanço dos meios de comunicação, os pés ainda são responsáveis por levar aqueles que tem a tarefa de trazer e levar boas e más notícias a milhões no mundo todo. Sejam carteiros, evangelistas, ou até mesmo animais levam e recebem notícias tendo os pés como principal condutor.

E sobre os animais irracionais, como o cão, é surpreendente como captam informações dos nossos pés após voltarmos para nossos abrigos e lares. Observei que quando eu voltava para onde eu estava residindo, os cães daquele local cheiravam os meus calçados de modo atencioso. Isso me fez compreender que estavam coletando as informações neles  contidos, pelos odores que eles continham. Os odores que exalam das partículas e micros partículas são captados e lidos pelos cães adultos que os comparam com as informações contidas no seu banco de informações cerebral, e podem saber se elas são de cães e outros animais conhecidos ou não.

Os carteiros também levam informações, e seus pés lhes conduzem nessa tarefa, pelo que deveriam ser mais bem tratados, já que problemas com eles podem impedir de conduzi-los.

Outrossim, os calçados, como citado ao início, podem guardar informações preciosas para quem detém conhecimento, as quais podem denunciar o seu possuidor dizendo onde ele esteve e até o que fez. É o caso de pessoas que participaram de delinquência a qual ficaram evidenciadas em seus calçados, como no caso da morte da nissei Tercia Nakashima. Uma alga existente na represa onde ela foi executada foi encontrada no sapato de Mizael Bispo, principal suspeito do crime.

Mas os pés dos que anunciam as boas novas são ainda mais preciosos, posto que são os responsáveis pelo transporte daqueles que levam a mensagem do evangelho eterno.

Por isso diz uma escritura: “Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!” Is. 52:7.

E isso não fala de boas notícias, mas da boa mensagem, a qual pode salvar um perdido pecador.



Escrito por oliprest às 06h56
[] [envie esta mensagem
] []





A BONDADE DOS JAPONESES

Os acontecimentos que tem ocorrido no Japão nestes últimos dias manifestaram uma característica do povo daquele país, que chega a incomodar a algumas pessoas de outras nações como o Brasil. E essa característica, a qual eu nomeio de bondade dos japoneses, é devido a sua paciência, resignação, comedimento e moderação no seu modo de suportar as adversidades pelas quais está aquele povo passando com os tremores de terra e tsunami havido naquele país, gerando, como consequência, a morte de milhares de pessoas, destruição de milhares de habitações, perdas de empregos, carência de alimentos e água potável.

Tais características não têm sido manifestadas em nações como o Brasil e os EUA. O primeiro como um país tido por Cristão, e, o segundo, como uma nação que, além de religiosa, tem alcançado um nível considerado elevado de cultura e desenvolvimento. E isso foi manifestado em diversas ocorrências havidas lá e cá.

Aqui, recentemente, por ocasião dos acontecimentos havidos na região montanhosa do Estado do Rio de Janeiro, cujas cidades como Petrópolis e Teresópolis sofreram inundações, e cujos habitantes tiveram seus imóveis inundados e soterrados por avalanches de água e lama. Ali, por ocasião do tufão Katrina, o qual ocasionou a quase submersão da cidade de New Orleans.

Nos dois casos alguns moradores se recusaram a deixar as suas casas devido ao perigo de saques promovido por moradores dessas cidades, os quais não tiveram escrúpulos e nem temor de Deus.

 Como tem sido noticiado pela mídia televisiva, no Japão os seus habitantes esperavam resignadamente em filas, a fim de obterem alimento, água, combustível e até para deixar o local onde viviam. Não se viam tumultos, reclamações e nem saques, seja em residências ou comércio, sejam em depósitos de alimentos. E isso foi um comportamento geral, embora lá não houvesse apenas japoneses; pois aquele país abriga cidadãos de muitos outros, como: Brasil, China, Coreia, América, etc., os quais compõem a sua mão de obra.

Esse comportamento além de cultural parece que também é dominante naquele país, além de contagiante, já que os cidadãos estrangeiros que ali estavam se comportaram do mesmo modo.

É interessante notar que isso deveria ser uma característica de povos que se intitulam cristãos e tementes a Deus, ou também que sejam culturalmente evoluídos, como os norteamericanos.

Do que podemos concluir que os japoneses, do ponto de vista humano, são melhores do que muitos. Isso não quer dizer que sejam bons do ponto de vista espiritual também, ou que por causa desse comportamento sejam havidos dignos de salvação para a vida eterna.

É que, segundo as Sagradas Escrituras, a vida eterna como galardão dos havidos dignos para tal, está condicionada a obediência a palavra de Deus, o que muitos de lá, de cá, e de outros países não obedecem, ainda que possam parecer bons do ponto de vista humano como os japoneses.

Mas não podemos deixar de manifestar que esse comportamento praticado por aquele povo nesses dias difíceis pelos quais têm passado, é um comportamento louvável e exemplar até para aqueles que deveriam ser os primeiros a dar esse exemplo, como Brasil e EUA, já que tidos como cristão e evoluído.



Escrito por oliprest às 21h21
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]